Copaífera spp. – Leguminosae Caesalpinoideae

copaíba-preta · copaíba-vermelha · copaibeira (MT) · óleo · óleo-de-copaíba · óleo-pardo · pau-d’óleo
C. multijuga Hayne, C. langsdorffií Desf., C, martii Hayne, C. ducker Dwyer, C. retículata Ducke, C. officinalis L.

  • CARACTERÍSTICAS GERAIS: cerne marrom-averrnelhado com veios mais escuros, distinto do alburno acinzentado. Anéis de crescimento pouco distintos, grã direita ou levemente revessa e textura média. Cheiro característico quando verde e imperceptível depois de seca.
  • DENSIDADE: madeira de densidade média, com densidade a 12% de umidade de 500 a 750 kg/m3 e densidade verde em torno de 1.100 kg/m3.
  • SECAGEM: moderadamente lenta ao ar, sem a ocorrência de sérios defeitos. A secagem em estufa de C. duckei e C. reticulata é rápida apresentando rachaduras, encanoamento e torcimento moderados, no programa de secagem 1.
  • TRABALHABILIDADE: fácil de ser trabalhada com ferramentas manuais e mecânicas, resultando em superfície lisa e uniforme. Boa para pregar e parafusar. A exudação de óleo-resina durante a secagem pode prejudicar a coragem, dependendo do adesivo.
  • DURABILIDADE: Copaifera langsdorffii e C. reticulata, em ensaios de laboratório, demonstraram ter alta resistência ao ataque de organismos xilófagos. Outras espécies, entretanto, podem mostrar-se vulneráveis à podridão branca e parda, insetos e cupins de madeira seca.
  • PRESERVAÇÃO: C. duckei e C. retículata apresentam alburno de fácil preservação e cerne muito difícil de ser preservado, mesmo em tratamento sob pressão.
  • USOS: usos internos em construção civil, forros, móveis, cabos de ferramentas, folhas laqueadas decorativas, compensados, embalagens, carrocerias e outros.

Fonte: Laboratório de Produtos Florestais – IBAMA-Brasília